Agora você vai passar roupas na parede.

Como organizar a roupa de casa

Roup de cama coloridaShutterstock / K. Miri Photography

A organização das roupas da casa não fica restrita ao armário com camisas, calças e outras peças de vestuário. Ela se estende também para as toalhas e roupas de cama que merecem atenção especial para evitar mofo e odores desagradáveis.

É preciso avaliar as condições da casa para saber a melhor forma de organizar e conservar as peças. Na praia, por exemplo, a conservação é diferente por causa da maresia.

Adriana Saade e Ingred Lisboa, organizadoras profissionais dão algumas dicas para guardar as roupas da casa corretamente.

Como organizar e guardar as roupas da casa

  • Não utilize sacos plásticos, pois impedem a ventilação das roupas, o que favorece a proliferação do mofo.
  • Utilize capas de algodão cru de um lado e plástico do outro, que permite a separação dos jogos de roupa e a ventilação dos tecidos.
  • Sacos de TNT também são recomendados, pois conservam as roupas ao mesmo tempo que permitem a ventilação.
  • O ideal é ter um roupeiro apenas para guardar cobertores, roupas de cama e banho, mas para quem não dispõe de muito espaço, a solução pode ser separar uma ou duas portas do guarda-roupa.
  • As toalhas de banho devem ser preferencialmente organizadas em prateleiras, com exceção das toalhas de mesa que podem ser colocadas também em gavetas.

Roupas de casa guardadas

Shutterstock / Karkas

  • Separar roupas de cama por pilhas de lençol, fronha, toalha de rosto e de banho pode ser um problema na hora de achar os pares.
  • Evite o desperdício de tempo e organize a rouparia da casa por jogo completo.
  • Os cuidados ficam mais focados na acessibilidade e conservação do que no local em que essa roupa vai ficar. Reforçamos a ideia sugerindo que roupas de cama e banho usadas com mais frequência estejam em lugares de fácil acesso.
  • Nunca guarde roupas úmidas. Certifique-se de que as roupas estão secas antes de guardar, e de preferência passadas, pois a roupa fica mais bonita e ocupa menos espaço.
  • As roupas de casa podem ser organizadas em um roupeiro de uso comum ou até mesmo nos próprios quartos. É possível armazenar as toalhas de banho e de rosto no banheiro, mas é preciso atenção quanto à umidade, ao espaço e à frequência de troca das toalhas.
  • Escolha um dia da semana para trocar toda a roupa de cama e banho, incluindo pijamas.
  • Períodos com temperaturas altas pedem uma troca mais frequente, mas é preciso pensar no desperdício de água e não exagerar. Além do problema ambiental, a lavagem diária das toalhas diminui sua vida útil.

Toalhas de cozinha e panos de prato

Essas devem ser lavadas todos os dias devido ao risco de contaminação por restos de comida. A troca depende do uso e da quantidade de louça, mas nunca se deve ultrapassar mais de dois dias sem trocar as peças.

Atenção: Além disso, é preciso separar as toalhas de cozinha das toalhas de banheiro. Separe de duas a três gavetas da cozinha para organizar e guardar toalhas de mesa, pratos e jogo americano. O material de cozinha pode e deve ficar na cozinha, de preferência numa gaveta de fácil acesso.

FONTE: BBEL

Como organizar o cantinho da bagunça

“Vou guardar, depois eu vejo o que faço”, esse é um pensamento comum que vem na cabeça de muita gente ao ver algum objeto ou acessório, e esse é o principal fator responsável por grande parte da bagunça.

Quase todo mundo tem um espaço, desde uma gaveta até um quartinho, que serve para armazenar esses artigos, o chamado cantinho da bagunça. Mas não é porque tem esse nome, que precisa necessariamente ser bagunçado.

Será que precisamos disso?

Algumas perguntas para saber se determinado objeto é realmente necessário são importantes. Ana Afonso, organizadora profissional sugere:

  • Preciso disso?
  • Gosto daquilo?
  • Além do valor afetivo, tem valor real?
  • Qual foi a última vez que utilizei?
  • Qual ocasião isso pode ser útil?

Quem são os bagunceiros?

Quarto da bagunçaShutterstock / trekandshoot

É possível separar em três níveis as pessoas que guardam:

  • Guardador comum, aqueles que realmente podem utilizar a qualquer momento o que tem.
  • Apegado médio, que se baseia em probabilidades e achismos. Muito comum esse comportamento vir da criação, geralmente foram criados por aqueles que guardam o brinquedo do filho para o neto brincar ou que guarda roupa para usar em uma festa brega.
  • Guardador crônico, que é o mais desorganizado dos três, esse é o perfil que guarda tudo, mesmo sabendo o que não terá mais utilidade, dependendo do nível, o auxílio de psicólogo é necessário, indica Ingrid Lisboa, organizadora.

Dicas

OrganizaçãoShutterstock / Photographee.eu

Para evitar a desordem, as organizadoras dão dicas para organizar o cantinho da bagunça.

- Separe os itens que for guardar por categorias. É importante não misturar, pois na hora de procurar ou arrumar fica muito mais simples.

- Coisas que não são utilizadas há mais de dois anos, tem grande probabilidade de não serem mais úteis, podendo ser descartadas ou doadas com facilidade.

- Objetos com valor simplesmente sentimental nos dão boas lembranças, mas nessa hora o desapego tem que ser maior. Lembre-se sempre que o que você não usa mais, pode ser útil para alguém.

- Aposte no armazenamento aéreo, que são as prateleiras e ganchos. Eles liberam espaço para circulação e limpeza e também evitam que as coisas acabem empilhadas.

- Separe com fácil acesso o kit reposição, onde entram lâmpadas, ferramentas, etc…

- Caixas são primordiais, cuidado apenas na escolha, se o ambiente for úmido, nada de papelão, procure por caixas plásticas ou de papel impermeável. Elas são facilmente encontradas em papelarias e grandes lojas de materiais de construção.

- Etiquetas, sempre! O brasileiro ainda não tem o costume de utilizá-las, portando a dica é que aplique as transparentes ou as bem coloridas para deixar a estética mais agradável, mas não deixem de usar.

- E por fim, a arrumação e limpeza pesada, que devem ser feitas no mínimo duas vezes ao ano. No início das estações quentes (primavera e verão) e no início das frias (outono e inverno) é o ideal.

Não acumule bagunça em sua casa.

Fonte: BBel

Os 5 “Nãos” na lavagem de roupa

{AUTOR}

Fazer as coisas bem feitas dá muito mais trabalho, mas também dá muito mais prazer.

Essa frase resume o que quero passar para você, com relação ao cuidado com a lavagem de roupas. Se soubermos lavá-las corretamente e quando realmente for necessário, será fácil conservar suas roupas bonitas, com qualidade, por mais tempo.

Lavagem de roupas é uma tarefa que requer algum conhecimento e não apenas jogá-las na máquina, apertar o botão e pronto, mas dentro desse conhecimento, existe também o que não deve ser feito.

Você pode achar que não tem muito tempo para se dedicar a essa tarefa, mas se ela for bem feita, você estará economizando dinheiro, pois você vai conservar suas roupas e de sua família por muito mais tempo.

A lavanderia ou local onde você cuida delas, deve ser vista como um local de renovação. Elas entram sujas e sem vida e saem cheirosas, limpinhas e bem passadas, prontas para deixarem toda sua família bem vestida e confortável.

Na hora da lavagem de roupa, o que não fazer?

1 – Não misture roupas de uso pessoal com panos de prato ou de limpeza. Regra básica. Não é higiênico você misturá-las. Lave-as sempre separadas, pois os panos de prato geralmente têm gordura e podem passar para suas roupas pessoais. Os de limpeza estão em contato com produtos químicos mais fortes e podem causar alguma alergia ou danificar o tecido, caso suas roupas se misturarem com eles.

2 – Não misture roupas muito sujas com outras peças (por exemplo, as de crianças). Quem tem criança em casa sabe o que é uma roupa suja e uma roupa muito suja. Quando a sujeira da roupa é leve, às vezes apenas de cheiro de suor e poeira, quando se misturam com roupas muito sujas, que podem ter barro, correm o risco de mancharem, dificultando muito a lavagem e o processo de retirada das manchas.

3 – Não misture com roupas de cor com roupas brancas. Roupas coloridas podem soltar tinta. Se você misturar roupas de cor com roupas brancas, provavelmente as coloridas irão manchar as brancas. E o tempo para ficarem de molho é diferente. As brancas devem ficar de um dia para o outro e as de cor, somente alguns minutos. Veja mais em Pré-lavagem.

4 – Não, ou melhor, nunca deixe de molho roupas de cor forte. Roupas de cor forte se ficam muito tempo de molho vão desbotar com certeza, e uma roupa desbotada fica com aparência de velha. Se a roupa tem cor forte, essa é sua cor de origem. Roupas que são naturalmente desbotadas já são compradas assim. Uma roupa que não tem essa característica originalmente, quando desbota parece velha. E você não vai querer que isso aconteça com as suas, certo?

{AUTOR}

5 – Não use sabão demais, só vai dificultar a lavagem. Achar que quanto mais sabão, mais limpa vai ficar a roupa é um engano. A medida certa é o ideal. As máquinas atuais têm medidores que acompanham. Então, não tem como errar. Na hora do balde ou bacia, use o bom senso. Coloque um pouco de sabão em pó, adicione a água e mexa até obter espuma. Aí está pronto para usar.

Para conservar roupas delicadas, elas devem ser Lavadas á mão, não deixe de saber quais são essas roupas

Fonte: BBel.com.br

Cortinas e tapetes

De quanto em quanto tempo é necessário fazer a lavagem das cortinas?

Se as cortinas forem de tecidos mais pesados e em tons claros, podem ser lavadas a cada 6 meses. Para as mais escuras, a cada 10 meses ou 1 ano. Tudo também depende do lugar onde você mora. Mais ou menos poeira é um bom parâmetro para saber o tempo necessário. Saiba mais sobre como limpar cortinas e persianas.

E a limpeza de tapetes e carpetes?

Existem hoje no mercado muitas empresas especializadas em lavagem e manutenção de tapetes e carpetes. Uma vez por ano é um bom prazo para aquela limpeza geral desses itens. Veja como fazer a limpeza cotidiana do tapete.

Veja dicas e técnicas de como passar roupas

Passar roupa não é fácil mas conhecer algumas técnicas pode ajudar bastante há ainda uns segredinhos que facilitam na busca por aquele efeito de profissional – se você quer aprender a deixar uma camisa lisinha, tinindo, tem que assistir a essas dicas.

Cuidados ao secar e pendurar as roupas no varal

mulher pendurando roupa branca no varal

Shutterstock

Se você tem dúvidas sobre a maneira correta de secar e pendurar as roupas no varal, veja algumas dicas que o site Bbel coletou com Maria Aparecida Albuquerque , coordenadora de treinamento da lavanderia Dryclean USA, e Paulo Pedro Alfieri, professor de engenharia têxtil do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana).

Antes de pendurar

Antes de colocar as peças para secar, tenha certeza de que os resíduos de sabão e amaciante foram removidos na maior quantidade possível. Tecidos mal enxaguados perdem qualidade, desbotam e amarelam com mais facilidade, principalmente quando expostos ao sol.

Para que seque em melhores condições para ser passada, adquira o hábito de puxar a roupa ainda úmida pelas laterais para colocá-la o mais próximo possível da forma original. Por exemplo, puxe as pernas das calças para estendê-las e a cintura para desenrugá-la antes de pendurar no varal. Bata no ar as camisetas duas a três vezes para eliminar as rugas formadas durante a centrifugação.

Prefira secar à sombra

Quase todo mundo sabe que a melhor opção para secar as roupas brancas é não colocá-las diretamente expostas ao sol, mas mantê-las na sombra. Esse cuidado também pode ser estendido para todas as outras peças, pois os raios solares, assim como amarelam os tecidos brancos, desbotam os coloridos e enfraquecem as fibras dos tecidos no geral.

Roupas brancas de poliéster são mais resistentes à luz solar e podem ser colocadas para secar ao sol com prudência, ao contrário das peças brancas de algodão, linho, viscose, modal e nylons, que sempre devem ser mantidas na sombra para preservar a intensidade do branco.

arara com roupas coloridas

Shutterstock

Lã e cashmere

Roupas destes tipos de tecidos nunca devem ser penduradas para secar na vertical, pois tendem a deformar por causa do próprio peso do tecido úmido. As malhas de lã são as peças mais sensíveis a essa deformação, principalmente pelo fato de não poderem ser centrifugadas. O melhor método é secá-las na horizontal, sobre uma bancada, por exemplo.

Artigos de lã e de cashmere não podem nunca serem secados ao sol. Além dos corantes não resistirem aos raios solares, as fibras destes tecidos são sensíveis à radiação UV do sol e enfraquecem rapidamente, se deteriorando.

Algodão

As roupas de algodão são mais resistentes e podem ser penduradas no varal na vertical. Camisetas, camisas polo e sociais devem ser presas pelos ombros e ficar com o corpo pendente. Calças, de todo tipo de tecido, e não apenas de algodão, devem ser penduradas pelas pernas para que sequem com menos rugas na cintura, que é a parte mais difícil de passar.

Roupas listradas e xadrezes podem secar ao sol, pois são mais resistentes, mas a recomendação geral é manter as peças de algodão à sombra. Outra dica é colocar camisas e camisetas para secar já penduradas nos cabides, o que diminui a possibilidade de deformação da roupa.

seda de várias cores

Shutterstock

Seda

A secagem das roupas de seda deve obrigatoriamente ser feita ao abrigo da luz. Prefira pendurar as peças no varal já nos cabides. No caso de usar prendedores, tome cuidado com os de madeira, que podem conter rebarbas e asperezas capazes de danificar o tecido.

Couro

Peças de couro também nunca devem secar ao sol. Ao ficarem expostas aos raios solares as roupas ressecam, podem perder a maleabilidade e o toque liso, chegando até a sofrer fissuras e mudanças na cor e textura superficial do tecido. Roupas de couro também não podem ir à secadora. O ideal é deixá-las secar em temperatura ambiente. Podem ser penduradas na vertical, mas se preferir usar cabides tome cuidado para que eles sejam do tamanho adequado, principalmente no caso de jaquetas. Do contrário, elas podem ficar com os ombros deformados.

Tecidos sintéticos

Roupas de poliéster, nylon e tecidos sintéticos no geral são mais estáveis e podem ser penduradas na vertical sem problemas. Vale lembrar que esses tecidos também precisam ser protegidos contra a exposição direta ao sol.

Fonte: BBel

Como cuidar das roupinhas de bebê

Para os bebês, brincar com a comida, arrastar-se pelo chão e outras travessuras são maneiras de explorar o mundo ao seu redor. Essas brincadeiras, entretanto, costumam deixar sujeiras difíceis de remover, e para lavá-las, é preciso estar atenta, pois a pele, principalmente dos recém-nascidos, exige cuidados especiais.

A higienização completa do enxoval do bebê deve ser feita antes de sua chegada. Ao final do sétimo mês de gravidez, recomenda-se que tudo já esteja pronto. Depois de lavar e passar as roupinhas, basta cobri-las – ou cobrir as gavetas – com forros de TNT para que a poeira não se acumule enquanto você aguarda a chegada de seu filho.

Os modelos mais novos de máquinas de lavar roupas possuem programas de lavagens adequados às peças delicadas. A grande vantagem de se lavar as roupinhas na máquina é que o enxágue costuma ser mais eficiente. Alguns modelos apresentam a possibilidade de se adicionar um enxágue extra, uma garantia à retirada de vestígios de produtos químicos usados na lavagem.

As roupas do bebê devem ser lavadas separadamente. As peças menores como as meias, luvinhas, sapatinhos de tricô ou tecidos, podem ser postas na máquina dentro de sacolas apropriadas para roupas íntimas. Uma dica caseira é colocá-las dentro de uma fronha e amarrá-la com um barbante.

Se utilizar produtos fortes como água sanitária em sua máquina de lavar, antes de colocar as roupas do bebê deixe-a bater sem roupas, no modo de enxágue, sem nenhum produto. Para lavar as roupas delicadas não é preciso usar doses maiores do que as recomendadas nas embalagens dos produtos específicos para essa tarefa.

Os sabões de coco ou neutros possuem menos aditivos químicos e por isso são recomendados para a lavagem de roupas delicadas ou de crianças. Os produtos voltados para os bebês são submetidos a rigorosos testes dermatológicos antes de serem comercializados. Produtos químicos fortes podem deixar rastros nas roupas mesmo depois de enxaguadas, portanto, evite utilizá-los.

As roupinhas de seu bebê devem ser passadas do lado avesso para ser esterilizada pela alta temperatura do ferro. Não há necessidade, entretanto, de se adicionar qualquer produto para umedecer as roupinhas na hora de passar.

Quando os bebês começam a engatinhar, as manchas mais difíceis começam a aparecer. É nesta época que eles começam também suas brincadeiras com as papinhas. Se surgirem nódoas em suas roupas, aplique pontualmente um pouco dos produtos especiais para tirar manchas, deixe agir e depois lave normalmente. Os produtos indicados para roupas delicadas deixam os tecidos mais maleáveis. Ainda assim, precisam ser totalmente retirados das fibras das roupas através de um bom enxágue.

Na hora de montar o enxoval, você deve levar em conta a estação do ano em que o bebê vai nascer e as temperaturas da sua cidade.
Fonte: BBel

Manchas de desodorante nas roupas?

Quem nunca se aborreceu com as manchas que surgem na axila das roupas? Os desodorantes, geralmente apontados como responsáveis pela situação, realmente podem causar manchas nos tecidos, mas outros elementos e hábitos também contribuem para que as axilas de camisas e camisetas fiquem com aquele aspecto amarelado ou esbranquiçado, dependendo da cor do tecido.

Os sais de alumínio ou alumino-zircônio presentes nas formulações de produtos antitranspirantes são os principais causadores das manchas. O problema é que este é justamente o ingrediente responsável pela diminuição da transpiração, segundo Sueli Cagliari, gerente da área de pesquisa e desenvolvimento da Unilever.

“Este ingrediente apresenta-se na forma sólida e de cor branca e é incorporado nos diversos tipos de produtos, como aerosol, roll-on e creme. Esses sais são extremamente finos e podem penetrar e se depositar nas fibras dos tecidos, causando o aparecimento das manchas esbranquiçadas no tecido escuro”, esclarece Sueli.

No caso das peças escuras, Maria Ramos, coordenadora técnica da Anel, Associação Nacional das Lavanderias do Brasil, explica que o nosso corpo também libera sais minerais capazes de manchar as roupas. “O suor contém sais minerais que, ao secarem, formam um pó de cor branca, por isso se tornam mais evidentes nas peças de cor escura”, comenta.

Vários fatores ajudam a manchar as axilas de roupas brancas e de cores claras. Uma delas é a presença de íons ferro, que se depositam nas fibras dos tecidos deixando a área amarelada. Mais uma vez, os próprios sais antitranspirantes são a fonte destes íons, que também estão contidos na água usada para lavar as peças.

“É bom lembrar que o suor é incolor. Mas o amarelamento nas áreas de transpiração pode ocorrer também pela presença de bactérias que se desenvolvem nos locais com suor, especialmente quando a roupa não é lavada logo após a utilização. Com o tempo, as áreas ficam com manchas amareladas”, menciona Sueli Cagliari.

Além do aparecimento da mancha, não é raro quando o pedaço de tecido que fica em contato constante com as áreas de transpiração e com os desodorantes acabe ficando endurecido, com aspecto plastificado. Maria Ramos explica que o endurecimento dessas áreas ocorre em função da presença de gordura da pele que reage com o suor e os produtos desodorantes.

A coordenadora técnica da Anel ressalta que as manchas de desodorante são causadas por reações químicas difíceis de serem evitadas. Ela destaca que tecidos de fibras naturais são mais sensíveis a essa reação, especialmente a seda. Também é preciso ter cuidado redobrado com tecidos que são mais suscetíveis ao problema porque facilitam a interação entre suor e tecido, por exemplo, o cotton e a lycra

O cuidado principal para minimizar o surgimento de manchas de desodorante nas roupas é lavar as peças logo após o uso. Maria Ramos sugere que seja feita uma pré-lavagem localizada na região com detergente neutro e água antes da lavagem normal da roupa. Ao fazer isso, evita-se que, ao guardar a peça no cesto de roupas sujas, por exemplo, o antitranspirante tenha oportunidade de penetrar nas fibras e secar demais, o que dificulta posteriormente a remoção.

“As lavanderias possuem recursos profissionais que melhoraram muito o resultado devido ao uso de produtos e técnicas não disponíveis no mercado doméstico”, recomenda Maria Ramos.

Seguir as instruções de uso presentes na embalagem do desodorante também contribui para diminuir a incidência das manchas. No geral, é preciso secar bem as axilas, espalhar o produto uniformemente, evitar o uso de uma quantidade excessiva, esperar as axilas secarem antes de vestir-se e nunca aplicar o produto diretamente na roupa. Para o aerosol, é preciso respeitar também à distância recomendada na embalagem na hora da aplicação.

Fonte: BBel.com

O jeito mais fácil e rápido de dobrar uma camiseta

Como guardar as roupas de inverno

Closet com roupas de inverno>

As roupas de inverno são mais pesadas e volumosas e como no Brasil o clima predominante é quente, elas costumam ficar guardadas no armário durante a maior parte do ano. Existem regras básicas de acordo com os tipos de tecidos para guardá-las, mantê-las bonitas e bem cuidadas por mais tempo.

Roupas de algodão e flanelas

Devem ser guardadas bem secas e em lugar arejado, pois em contato com calor e umidade suas fibras naturais constituirão um ambiente favorável ao desenvolvimento de micro-organismos. Para ajudar a prevenir o desenvolvimento de bactérias, utilize amaciantes bactericidas.

Roupas de couro e camurça

O couro é bastante sensível à luz e à umidade, portanto deve ser guardado limpo, seco, em local escuro e ventilado para evitar o aparecimento de mofo. É indicado higienizar as peças em uma lavanderia especializada a cada seis meses.

Para pendurar os casacos em cabides, as capas pretas de TNT são excelentes opções para adequar os ombros da peça e protegê-los da umidade. Ao usar cabides, prefira os de madeira ou de plástico.

Se quiser deixar o casaco de couro perfumado antes de usá-lo, coloque pedaços de algodão embebidos em seu perfume favorito dentro dos bolsos e deixe por um dia.

A camurça é uma pele animal assim como o couro, por isso, os cuidados são parecidos. As peças deste tecido devem ser guardadas limpas, em capas de TNT, em local seco e colocadas para tomar ar pelo menos uma vez ao mês em local arejado e fresco.

Roupas de couro sintéticas

Ao contrário do couro natural, as peças confeccionadas com couro sintético são mais resistentes à ação de micro-organismos, à luz e à umidade, portanto não necessitam da proteção de capas de TNT. As peças podem ser lavadas em água e detergente neutro, mas não devem ser expostas ao sol para não ressecar e quebrar.

A lã, por ser fibra natural, requer cuidados para que micro-organismos não se desenvolvam no tecido. É recomendado colocar uma peça de algodão por baixo quando usar uma roupa de lã para evitar que ela entre diretamente em contato com a pele e fique com resíduos dos quais ácaros e bactérias poderiam se alimentar.

Antes de guardar, as peças devem ser lavadas com detergente neutro ou sabão de coco líquido e secas na horizontal ou então sobre uma toalha para que não se deformem. Estando limpas e secas, coloque-as dobradas em sacos de TNT. Não pendure roupas de lã e cashmeres em cabides, pois elas ficarão deformadas, também não torça nem centrifugue durante a lavagem. Não lave peças de lã em água quente, pois isso fará com que encolham. Já os cashmeres estão sujeitos a encolher com o uso de sabão em pó, por isso lave a seco.

Roupas de lã acrílica

Esta versão sintética da lã animal se deforma com mais facilidade e pode ficar assimétrica caso seja esticada demais. Portanto, deve ser guardada assim como as peças de lã natural: dobradas em sacos de TNT.

Roupas de Náilon

A fibra sintética é resistente à ação dos micro-organismos e as roupas deste tecido são impermeáveis. Para guardar suas peças de náilon, lave-as à mão ou em uma lavanderia especializada e deixe secar à sombra, pois a exposição excessiva ao sol pode amarelá-las.

Roupas de Veludo

O veludo deve ser lavado com sabão neutro e seco à sombra. A peça também deve ser pendurada e protegida com uma capa de TNT escura.

    pele de animal com pelagem <

    Shutterstock

    Casacos feitos com peles são ainda mais sensíveis e perecíveis do que os de couro, por isso necessitam de cuidados especiais no armazenamento. Falamos com a lavanderia profissional Lavasseco para dar melhores dicas de conservação para sua peça de pele.

    Recomenda-se manter roupas deste tipo em lugares secos, frescos e ventilados. Os casacos não devem ser jamais cobertos por plásticos e nem mesmo por TNT, já que não sofrem com a incidência de luz. Estas roupas estão muito sujeitas ao ataque de fungos e bactérias, que se alojam na base do couro e não são facilmente perceptíveis, a não ser pelo odor desagradável.

    Geralmente os casacos de pele são forrados por tecidos, o que dificulta ainda mais a identificação do problema, mesmo olhando pelo avesso. Além de cheirar o casaco para encontrar indícios de infestação, você pode testar a resistência dos pelos puxando-os. Quando se soltam facilmente é sinal de que a base já está bastante atacada.

    A periodicidade da limpeza de sua peça de pele animal vai depender do uso, mas o ideal é limpar sempre após a utlização para que não restem resíduos que possam favorecer o desenvolvimento de micro-organismos. A lavagem deve ser feita a seco por lavanderias especializadas.

    Cobertores e edredons

    Os mais grossos ultrapassam o peso máximo suportado pelas máquinas de lavar, por isso precisam ser lavados em lavanderias especializadas antes de serem guardados. Existem sacos a vácuo para armazenar edredons e cobertores. Além de protegê-los de ácaros, bactérias e sujeiras, você ganha mais espaço já que o tamanho é reduzido em 75%.

    Uma dica importante para conservar as roupas de inverno é deixar as portas dos armários abertas durante algumas horas uma vez ao mês em dias secos, para arejar as peças. Para tirar o cheiro de roupa guardada, acrescente uma colher de bicarbonato de sódio antes do último enxágue da peça.

    Fonte: BBel.com.br